Dalal Achcar
Ballerina and choreographer

Nora Esteves was always an example of professionalism as a dancer. Her technical perfection, allied to her intelligence, discipline and dedication inspire and stimulate all choreographers and rehearsers. It has always been a pleasure to work with an artist of this quality in all works created by me that she performed, such as “Amazon Forest”, “The Nutcracker” and “Don Quixote”.

TESTIMONIES

icone_flags_portuguese.png

Portuguese

Deborah Colker
Choreographer and ballerina

I had the opportunity and honor to work with Nora Esteves in the Municipal Theater of Rio de Janeiro during the reassembly of the choreography “Passion” that I created in 1994 to my company. The union of experience, technique and personality that I could exchange with this ballerina was quite rewarding. Besides, today we have Nora delivering classes at Escola de Movimento, forming students with seriousness, accuracy, technique and experience. It is valuable counting on this ballerina that makes part of the dance history in Brazil.

Music

"The Combat"

by Raffaello de Banfield

Eliana Caminada
Ballerina, professor of Dance History and ballet critic.

When I met Nora Esteves, my youth partner and friend, she was already acknowledged as a prodigy. A prodigy that, let me explain, corresponds, up to current time, to the expectations that she has always aroused in the dance world. 

Nora was born predestinated: being aware of the clear natural pre-requirements, she had talent, to which she allied a strong and non destroyable discipline, a quality that has followed her all her life. Nora is a person who cares for the minimum details and is the image of determination. The dance rewarded this availability assuring her, perhaps, the longest and uninterrupted career of our history.

It is not proper to talk in this testimony about the several roles she played, the fabulous choreographers with whom she worked, the powerful companies she integrated; this is part of her curriculum and it is so rich that can only have been developed by her. But I’d like to register my astonishment and admiration upon seeing her perform as the Prima Ballerina at 17 years old, dancing under William Dollar’s direction his most important work: “The Combat”. We are contemporaneous and it was extraordinary for me to see her maturity and courage to face such challenges. 

Nora continues astonishing me either as a ballerina, still performing, or rehearser and choreographer. A full professional, truly Brazilian in her option to remain at the Municipal Theater of Rio de Janeiro, who deserves from her colleagues, company and Country all homage. And from me the reaffirmation of my friendship and admiration for her beautiful life course

Emilio Martins
Former First Ballet Dancer of the Municipal Theater and today choreologist of the ballet "La Fille Mal Gardée" by Sir Frederick Ashton.

Nora Esteves is the Prima Ballerina of the Ballet of the Municipal Theater of Rio de Janeiro. Since an early age, she showed her innate talent. We attended the same Dance Academy and had Tatiana Leskova as our teacher. 

In one of the year-end Festivals of the Academy, Ms. Tania choreographed a suite of "Midsummer night’s dream" with music by Mendelssohn and the prelude for the trumpet was a pas-de-deux for Nora and one for me – my first pas-de-deux– and, with this, I became Nora’s first partnaire. 

We became professionals in the Ballet of the Municipal Theater and for several times we danced together again. When she was a young girl Nora received the title of Prima Ballerina. Nora illustrated a classic ballet class in a DVD and I was invited to make the Artistic Direction of it, a work that gave me much pleasure. 

Nora attended my classes often at Studio 88 and, for me, it was very good to deliver a class for such a professional ballerina and, for the apprentice students, it was a great stimulus. Our friendship is a big and constant one.

Eugenia Feodorova
Professor and choreographer

Provided with exceptional talents for the classic dance and extremely musical, Nora Esteves is undoubtedly one of the most outstanding artists of our ballet. Being the Prima Ballerina of the Municipal Theater of Rio de Janeiro, she played along her career, with a great success, all the main roles of the classic repertoire. Smart, learned and very disciplined both in her art and life, Nora honored with a great worth her position of Prima Ballerina, being an example for any ballet company.

Tatiana Leskova
Professor and choreographer

When a girl called Nora arrived in my Academy, I saw in her little body of “Degas’ Ballerina” the qualities and the exceptional talents required to be a professional ballerina in the future. Since she was a young girl, Nora has always been serious, disciplined and honest in her work and, with this, she rapidly made great progresses, well-deservedly reaching the position of Prima Ballerina of the Municipal Theater of Rio de Janeiro at 17 years old. 

With courage and determination (still an adolescent), she traveled abroad looking for further knowledge and opportunities, dancing in New York at the Joffrey Ballet. Later, in Europe, already as the Prima Ballerina in the Roland Petit’s Marseille Ballet, Nancy Ballet and in Robert Hossein’s Company, as well as a guest in several cities and theaters in Italy.

A beautiful international career of a Brazilian ballerina, who, upon returning to Brazil, continued to distinguish herself as the Prima Ballerina in the Municipal Theater of Rio de Janeiro, dancing repertoire and modern ballets of the best Brazilian and foreign choreographers. Currently, Nora transmits her valuable knowledge to the new generations of ballerinas of the Country.

I am happy to see this girl who arrived in my Academy at 8 or 9 years of age be what she is today... Congratulations!

Maribel Portinari
Journalist, writer, Chevalier de l'ordre des arts et des lettres.

Graduated by Escola de Dança Maria Olenewa, in Rio, Nora Esteves was born in Rio Grande do Sul, joined the Ballet of the Municipal Theater in 1965. Just afterwards, she spent one year at the New York-based Joffrey Ballet with a scholarship, also participating of the professional group. Back to Rio, she revealed herself in important works such as "The Combat”, “Daphnis et Chloé" and "The Firebird". 

With a slim physique, a rarity at that time among Brazilian Ballerinas, with a strong and safe technique, she impressed choreographer George Skibine, who took her to France. There, Nora worked with the Ballet Populaire de Reims, playing the title-role of "Sheherazade". She also worked with other companies such as Les Ballets de Marseille, Ballet Théâtre de Nancy, Ballet de Munich and the Ballet of the Massimo Theater of Palermo. She returned to the Municipal Theater of Rio de Janeiro, which was in an excellent phase, and under Dalal Achcar’s direction since 1981. 

Nora, then, danced the traditional repertoire: "Coppelia", "Swan Lake", "Giselle", "Don Quixote", always with quite a success. Dalal Achcar gave to her the main role of "Amazon Forest" (1985 version), a work that has been created by Margot Fonteyn. Overcoming a severe problem in Achilles’ tendon, Nora began to dance again with the same technique as she ever had. She still is in the Ballet of the Municipal Theater and, recently, she also created the choreography of the musical “Imperium”, a ticket-office and art critic success.

Marcelo Misailidis
1º Bailarino do Theatro Municipal do Rio de Janeiro

Estava lembrando em você Nora, e por algum motivo que não sei porque, antes mesmo de recordar tantas situações que vivemos juntos surgiram temas e personagens mitológicos que povoaram súbitamente meu pensamento como Aquiles, o invencível guerreiro grego que invadiu Tróia, um semi-deus dos contos mitológicos descritos nos Ilíadas de Homero.

Intrigado busquei compreender o que isso tinha haver pra mim de modo inconsciente em relação a você, a nossa convivência, e aquilo que você representa para todos nos que vivemos a dança como parte indivisível  de nós mesmos.

Não foi difícil perceber que a analogia comparativa associava a trajetória mitológica a uma imagem que você se enquadra de modo absolutamente preciso, porque de certo modo você traduz no imaginário de quem presenciou sua carreira, uma artista que em seu apogeu e muito além dele, parecia tocada por deuses, de uma precisão quase desumana, a frente do seu tempo, infalível, incansável, exótica, inabalável e eternamente jovem; quem mais seria capaz de tantas virtudes e ao mesmo tempo humana e mulher...Nora Esteves.

Querida amiga, embora eu tenha descendência grega, você foi a primeira que me levou ao Olimpo, somente alguém como você, guerreira invencível de “Combate” balé que tanto fala de você, e dos pampas gaúchos que nunca saíram de ti, me orgulho profundamente de ter sido com você minha primeira experiência de me apresentar com uma estrela, uma bailarina de primeiríssima grandeza, com um curriculum inquestionável.

Eu tinha aproximadamente vinte anos quando nosso querido mestre Desmond Doyle me propôs ser seu partner e dançar a seu lado na ABRJ (Associação de Balé do Rio de Janeiro), Cia. que foi berço artístico de tantos nomes representativos na dança e história de valor memorável, realmente tem coisas que muito tempo depois eu acho até uma heresia terem me dado tamanha responsabilidade, ou talvez coisa do destino, ou coisa de lenda, histórias de humanos e semi-deuses ou deusas como você, histórias que eu vivi a seu lado e escreveram um dos mais belos capítulos da minha vida, e me impulsionaram a posteriormente seguir uma trajetória que certamente não teria o mesmo valor sem sua imprescindível presença.

Sua história e suas façanhas hão de viver para sempre, e se espalham neste imenso país que você tanto se apresentou, e levou ainda para outros cantos do mundo uma imagem de que aqui também nascem deusas da dança, imortalizada na memória de todos que interceptaram em algum momento seu caminho, seja no palco, numa sala de aula ou como público na platéia de alguma apresentação sua; aquela bailarina certamente pareceria Aquiles, uma guerreira inabalável.

Paulo Barcelos

A belíssima e nobre arte do ballet cativou multidões no mundo inteiro por sua mensagem e linguagem universais. A dança constitui um idioma compreensível a qualquer nação, pela capacidade expressiva dos movimentos do corpo, que faz entender desde um sentimento até um enredo completo, a qualquer platéia do mundo.

O ideal de expressar-se através da dança é uma grande vocação, irreprimível e irreversível, um compromisso existencial, perceptível desde cedo em uma vida humana, como uma missão perante ao próximo e à humanidade.

O Brasil produziu notáveis figuras no ballet, que é uma das formas de arte que maior público e maior entusiasmo geram até os dias de hoje, não obstante o imediatismo exacerbado da época atual. Toda técnica pede tempo para ser construída e por isso mesmo reflete que a profundidade da natureza humana e suas mais elevadas aspirações continuarão a existir, acima de ordens e urgências midiáticas, enquanto o ser humano existir sobre a face da terra.

Nenhum furor da mídia poderá fazer prescindir os anos necessários à formação de um artista sério e responsável, nem roubar o discernimento das platéias, mesmo as menos cultivadas, de quando se defrontam com a mais alta qualidade – esta, possui peso e medida.

No Brasil destacaram-se vários artistas de ballet, porém existem sempre, como em qualquer lugar do mundo, alguns nomes à parte, mesmo na lista dos melhores. Essa natureza ou espécie artística é algo tão grande, que nada a pode deter em seu caminho, nem encobrir a sua importância.

Um desses nomes é certamente o da bailarina Nora Esteves. Desde sua adolescência, quando já havia logrado sua formação básica, Nora chamou a atenção geral pelo alto grau de acabamento técnico, de expressão, de maturidade profissional e capacidade de tudo sublimar e reunir em uma alta realização artística, característica comum a grandes bailarinas já muito experientes e com anos de atividade em palco.

Uma força superior a arrancava do conjunto do corpo de baile e a induzia aos papéis onde Nora tinha o que dizer de seu e de si.

Sua excepcional natureza para a dança, seu empenho e compromisso com o ballet, seu perfeccionismo a todos os níveis do métier transmutaram sua grande vocação a uma identidade artística cumprida no mais superlativo grau, tornando toda e qualquer aparição sua em cena algo de grande importância e conseqüência, pelo alcance universal de tudo o que Nora faz, como cartas registradas enviadas para a humanidade.

Se isso já era assim antes de Nora sair do Brasil, a altura a que ela chegou com sua vivência em grandes companhias estrangeiras, na Europa e nos Estados Unidos e com a influência de grandes mestres e coreógrafos, foi bem maior, mantendo o compromisso com a mais profunda verdade, através de dança, como tônica em sua personalidade e em sua vida, registrando universalmente sua contribuição pessoal, já em estágio de cristalização.

As características mais flagrantes de Nora Esteves em cena são: a desenvoltura, o domínio do métier, harmonia e acabamento das realizações, expressão sublimada, renovação de tudo o que o público pensava já conhecer, presença cintilante, sentido rítmico perfeito, emanação vibratória de seus gestos, que vem do interior, interior cultivado, desmaterialização do corpo para uma entidade etérea, em fenômeno de volatilização, e a versatilidade do espectro dramático, alcançando desde a candura ou a fatalidade do Eterno Feminino, até a Persona Trágica de um personagem, seja em coreografias clássicas ou vanguardistas, e por fim, a extrema responsabilidade na entrega das mensagens artísticas. Quando o pano caía, Nora podia tranquilamente assinar o que fizera. Quando Nora Esteves está em cena, o público não se lembra de nenhuma outra bailarina, fato característico dos grandes artistas.

A contribuição cultural e artística de Nora Esteves é incalculável, no Brasil e no exterior. Para ela, grandes mestres criaram e remontaram coreografias notáveis, onde Nora mostrou-se inteiramente à vontade e livre para criar, cumprindo assim todo o seu potencial artístico. A grande Nora Esteves, bailarina de quem desde cedo tanto se esperava, é um desses raros casos de que pode se dizer ter-se cumprido inteiramente. De Giselle a Clorinda, de Odette a Odile, de Sheherazade a Per Viola, de Cantabile a Floresta Amazônica, entre tantos títulos nos mais diversos palcos do mundo, Nora encantou platéias e críticos dentro do mais alto grau de exigência, exigência essa sempre menor do que a que Nora impôs a si mesma.

Coreógrafa e pedagoga de ballet, Nora demonstrou parte de seu conhecimento no vídeo Nora Esteves in foco, o primeiro vídeo de ballet clássico feito no Brasil, com o apoio da Lei Rouanet. Com uma tranqüilidade que muito poucas bailarinas poderiam exibir, Nora ministra neste vídeo aulas de ballet de nível médio e adiantado, em uma entrega generosa a novos valores da dança, dos passos e princípios básicos, alertando o que é certo e o que é errado, demonstrando ela mesmo cada um dos exercícios em uma exposição pessoal mais comprometedora do que dançar qualquer ballet.

Como um grande mestre oriental, Nora transmite conhecimentos a iniciantes e iniciados em atmosfera de meditação transcendental, realizando suas aulas em clima da mais alta harmonia, segurança e serenidade, características do grande saber.

Nora prossegue suas atividades de pedagoga em estabelecimentos do Rio de Janeiro e como professora convidada em outros estados e países. É especialmente querida por seus alunos, por ser um dos raros mestres que realmente sabem e realmente querem fazer os alunos aprender e desenvolver-se, um mestre que dá o que tem e tudo compartilha com seus alunos.

De poucos artistas se pode dizer, como é o caso de Nora Esteves, que tenham enriquecido tanto a sua época, com suas altas realizações, e que tenham ao mesmo tempo, com seu exemplo, desbravado e indicado tantos caminhos para o futuro, tanto da dança como das vocações.

Logo.jpg

© 2019 by Nora Esteves